sábado, novembro 8

WEBQUEST





 
WEBQUEST UMA ESTRATÉGIA OU METODOLOGIA DE TRABALHO ONLINE

Eloí de Oliveira Batista

Professora da rede pública- aposentada.

Coordenadora pedagógica- pólo UNOPAR-Santiago/RS

 

Hoje, mais do que emergente, é imprescindível que o professor busque novas formas de ensinar a aprender usando a mediação tecnológica. Nossos estudantes da era digital já não concebem sentar, receber um questionário do livro didático e responder perguntas,sem no mínimo, demonstrar insatisfação.

A webquest,originária do educador  DODGE (1995), Universidade de São Diego, é uma metodologia online, que pode despertar o interesse dos alunos, no que se refere a aprender a pesquisar, resumir, filtrar as informações. Elaenvolve processo de construção, busca, pesquisa, seleção e registro, com isso,  há possibilidade de desenvolvimento do processo de leitura, oralidade, escrita, interatividade, sociabilidade ( grupo ) e transposição de informações soltas para a organização de conhecimentos.

Para isso, vem se fazendo um chamado aos educadores, para o uso dos laboratórios de informática, nas escolas pública, com um trabalho que ajude na organização de conhecimentos significativos ( para vida do estudante) e, essas ferramentas podem se tornar ricas em agregar, o que, estamos com dificuldades: fazer nossos estudantes apreenderem determinados conteúdos escolares para sua própria autonomia. Assim, no primeiro momento, pode-se aprender junto com os educandos num processo de trocas, como já afirmouPaulo Freire.

Para isso, criar uma webquest é preciso:

1)      PLANEJAR: é o aspecto pedagógico. O que tenho para ensinar? Qual o nível de exigência e domínio que quero imprimir nessa etapa de ensino? Quem são meus alunos? Onde podem pesquisar? Oslaboratórios de informática das escolas funcionam? Como? O que temos de políticas públicas que ajudam a integrar essas ferramentas no nossotrabalho cotidiano?

 

Planejar é criar a história da vida, a autonomia do educador/educando.

2)      FORMATAR: é editar meu planejamento, é PUBLICARnum servidor e dividir com os outros e com seu grupo de alunos em específico, o que se espera deles. Incluir, nessa etapa, as ferramentas de usodas mídias, inovar, mudar os conceitos que atribuem ao profissional da educação ( nos sobrecarregando de atribuições e poucas verdades a nosso respeito), as indicações, as citações, os autores a serem pesquisados, a metodologia que pode ser integrada à proposta, para buscar informações e com isso, organizá-las de forma que possam ser processadas em conhecimentos para vida.

 

A WEBQUEST se constitui em etapas metodológicas organizativas que assim se distribuem, didaticamente:

a)      INTRODUÇÃO: é o momento inicial, do professor, onde a ação é fundamental na organização de estratégias que possam servir para despertar interesse. A linguagem deve ser acessível, a proposta clara, o delineamento sobre o tema resumido, compatível ao nível do estudante, breve e desafiador.

b)      TAREFAS: estas devem propor desafio, a busca, a pesquisa, a síntese pelo aluno. A clareza ea objetividade é fundamental, no que se quer e propõe, pois essa etapa “é a alma da webquest” tem que levar o estudante a organizar as informações e enriquecê-las com diferentes recursos do mundo tecnológico.

 

c)       PROCESSO: é a organização de todo o processo. As etapas da tarefa, os recursos, as informações que devem ser colhidas, a metodologia, organização do grupos de pesquisa, todos os passos que podem ser seguidos pelo grupo e individualmente, caracterizando a sequência didática da proposta como um todo, para que saibam o que fazer, na busca até a apresentação em sala de aula. As fontes essenciais para se instrumentalizarem.

 

FONTES: são os sites, as páginas da web, os critérios para pesquisa, como referendas as fontes, de onde? O assunto pertinente, para estabelecer o foco do assunto, os vídeos, as músicas, os textos, os autores como citá-los, os recursos que possam aprofundar e interpretar, com isso, ser agente de sua própria aprendizagem.

d)      AVALIAÇÃO: nesta etapa é necessário estabelecer a modalidade da avaliação, os critérios que serão levados em conta e o que se espera do grupo e de cada um individualmente.

e)      CONSIDERAÇÕES E OU CONCLUSÃO: A conclusão deve estar fechando e fazendo as considerações coerentes com todas as etapas, principalmente com a introdução que é onde se estabelecem o tema/assunto, descritos em síntese. O que foi feito em consonância do que se espera, para chegar ao que é necessário e algo mais que sempre é possível, como educador.

 

Agora ,é publicar, achando um servidor grátis para hospedar sua  webquest, para que você e seus alunos possam acessar , utilizar, disponibilizar para trocas usando a ferramenta INTERNET. Nesse sentido, a INTERNET é fundamental, daí a justificativa para exigência emergencial de políticas governamentais que ofereçam e acompanhem a disponibilidade dessa ferramenta, nas escolas, pelo uso dos Laboratórios de Informática.

Professor, vá em frente, planeje sua webquest,publique em sites gratuitos, realize um bom trabalho com seus alunos e verifique que as plantas nascem das sementes e fazem todo o ciclo até produzir novas sementes.  Pois, opapel de educador só você pode fazer. Os resultados,espera-se! E faça sua colheita!

EU ESTOU FAZENDO A MINHA!

 

 

REFERÊNCIAS

Sites:

http://pt.wikipedia.org/wiki/WebQuest

webquest.sp.senac.br




 

 

 

 

 

 

quinta-feira, maio 22

ORTOGRAFIA: PNAIC , uma reflexão



                O PROCESSO DE ORTOGRAFIZAÇÃO (PNAIC ) da criança tem trazido muita discussão entre os educadores. Uns que focam suas atividades na "psicogênse" da leitura e escrita são capazes de estabelecer um tempo para que a criança possa fazer a aquisição da escrita da mesma forma da leitura. Depois que o aluno consegue ler, está na hora do segundo aspecto, preocupar-se com a ortografia das palavras, dos  textos desenvolvendo a apropriação do nosso sistema ortográfico da língua. Outros que fazem uma alfabetização com métodos tradicionais acreditam que ortografia é treino de palavras.
               Segundo CAGLIARI 1999, argumenta que:

"Explicar aos alunos o que é ortografia e como resolver dúvidas ortográficas é uma atividade imprescindível na alfabetização.Tendo ouvido todas essas explicações, um aluno pode desenvolver tranquilamente seu processo de alfabetização, sabendo o que e como

ORTOGRAFIZAÇÃO, MUITO BOMMMMMMMM

OLÁ PROFES

Um material de ortografia muito bom, resolvi ajudar a divulgar, uma vez que a tecnologia, hoje deve estar inserida nas práticas pedagógicas dos educadores.

Vamos repensar o ensino da língua do ponto de vista da estrutura e função e ortografizar as crianças nos anos iniciais, isto é," NA IDADE CERTA". Que esse programa não se perca no esquecimento, pois quem se prejudica com isso é a criança que precisa de atendimento correto, adequado e nos anos iniciais de escolarização.


PDF]

HIPERHISTÓRIA PARA AUXILIAR A CRIANÇA DO 2º ANO ...

seer.ufrgs.br/renote/article/download/14015/7906

sexta-feira, fevereiro 28

ALFABETIZAR NA IDADE CERTA?







COMO ENSINAR ALFABETIZAR LETRANDO?


O que o professor precisa saber? O que o aluno precisa saber? O que o aluno sabe sobre a ortografização?
Para diagnosticar o processo de construção do aluno o professor precisa saber e conhecer o objeto de estudo, isto é, mediar a integração do estudante com as estruturas da linguagem verbal, familiarizá-lo com  os gêneros textuais do nosso cotidiano, partindo do que é familiar para ensinar o sistema de escrita alfabético.
Para isso, o texto é a referência básica com o foco na lingüística textual, na teoria da enunciação e na análise do discurso e visando a interdisciplinaridade, também estabelecendo as relações entre imagem/som/ texto escrito, com o auxílio da tecnologia para mediar a aprendizagem.
Uma questão em evidência atualmente, na lingüística textual ( ciência da estrutura e estudo do funcionamento dos textos), com objeto principal de investigação o texto.
A textualidade é estabelecida pelo processo de coerência, princípio de interpretabilidade e compreensão do texto, num processo cooperativo entre o produtor e o receptor (Koch e Travaglia, 1997) e pela coesão que se constitui nos processos de sequencialização que asseguram ( recuperam) uma ligação lingüística entre os elementos que ocorrem na superfície textual (Koch, 1999).
Nesse sentido, estudiosos apontam o início da alfabetização como o período mais importante e é necessário que a criança esteja exposta em vivências lúdicas com os objetos da linguagem, que se constituem em aspectos regulares e irregularidades da estrutura da língua portuguesa numa visão de processo contínuo, isto é, num ambiente alfabetizador com diversidade de recursos a partir de imagens, CDs, músicas, ideias, tirinhas, histórias lúdicas, poemas, textos informativos, jornalísticos, revistas variadas... em leituras multisemióticas, multiculturais e críticas.
No terceiro ano, quando a criança já está com a evolução do processo, se faz necessário a intervenção constante do alfabetizador, destacando, principalmente a construção do texto coletivo como atividade significativa, onde pode ensinar e fazer o contraponto e a reflexão sobre as estruturas do texto escrito bem como todos os aspectos da ortografia, análise das inferências, das informações, comparações, correções encontradas pela leitura e compreensão dos textos.

ESPERO ESTAR COLABORANDO COM OS PROFESSORES!
UM ABRAÇO.




RESUMO DO LIVRO: ORTOGRAFIA: ENSINAR E APRENDER

RESUMO DO LIVRO: ORTOGRAFIA: ENSINAR E APRENDER

quinta-feira, fevereiro 27

quinta-feira, fevereiro 20

SUGESTÃO: LEIA UM BOM LIVRO


CAROS COLEGAS ALFABETIZADORES!


 Uma referência boa para estudo: 




ORTOGRAFIA: ensinar e aprender

Artur Gomes de Morais
ÁTICA

REFLETINDO SOBRE A PRÁTICA..


                         A partir da ideia de que estamos no final do ciclo 1 da alfabetização na idade certa, sugere-se que a criança esteja exposta a  um ambiente alfabetizador coerente, com os recursos que desenvolvam a leitura fluente, os conhecimentos inerentes a cultura e necessidades para o Ano/necessidades , integrado de formas, cores, livros, textos de todos os gêneros, fichas, jogos de qualquer tema, desenhos, símbolos, histórias, recursos tecnológicos, dicionários,  isso desde muito cedo na vida familiar e escolar, mesmo que ela não saiba identificar e ou distinguir tais recursos. Isso vai incluir a criança no mundo letrado a caminho do letramento e mais tarde para aquisição da escrita ortográfica.

                             SARAIVA 2001, AFIRMA:


             "A AQUISIÇÃO DA ESCRITA REQUER O CONHECIMENTO DAS ESTRUTURAS FONOLÓGICAS DA LÍNGUA E DE COMO AS UNIDADES GRÁFICAS SE CONECTAM ÀS UNIDADES FALADAS. UMA PROPOSTA DE ENSINO ARTICULADA ÀS NECESSIDADES REAIS DAS CRIANÇAS INCLUI INTERVENÇÕES DO DOCENTE SUSTENTADAS POR FUNDAMENTOS TEÓRICOS SÓLIDOS."



                                          Saber ler e escrever é muito mais complexo para  a criança do que se pensa. Isso requer conhecimentos da estrutura da nossa língua portuguesa, principalmente, bem como metodologia de escrita,( uma sugestão oficinas de produção de diferentes gêneros textuais) como forma de desenvolvimento social, comunicação oral e escrita, bem como pessoal do ser humano que integra um contexto letrado e competitivo.

Caro colega pesquise e use diferentes materiais para ler e escrever com sua turma de 3º Ano, relacione em recursos lúdicos para leitura e escrita: os rótulos, as caixas, as fichas, as propagandas, os folhetos, revistas, dicionário, etc. e escreva muito com eles, os textos coletivos ensinam todos os aspectos da estrutura da nossa língua.

BOM TRABALHA E 2014.     SUCESSO!!!!!!!

ORTOGRAFIZAÇÃO: UMA REFLEXÃO

ALFABETIZAR NA IDADE CERTA...


                               O processo de  ortografização da criança tem trazido muita discussão entre educadores. Uns que focam suas atividades na "psicogênese" da língua escrita são capazes de estabelecer um tempo para que a criança possa fazer a aquisição da escrita da mesma forma da leitura. Depois que o aluno consegue ler e durante o processo, está na hora de preocupar-se com a ortografia das palavras, dos textos desenvolvendo a apropriação do nosso sistema ortográfico da língua.

                                Segundo CAGLIARI 1999, argumenta:

"Explicar aos alunos o que é ortografia e como resolver dúvidas ortográficas é uma atividades imprescindível na alfabetização. tendo ouvido todas essas explicações, um aluno pode desenvolver tranquilamente seu processo de alfabetização, sabendo o que e como está aprendendo, do onde saiu e aonde vai chegar. Sabe que está aprendendo a decifrar a escrita nos seus aspectos fonéticos, sintáticos, semânticos e textuais. Sabe que seus conhecimentos básicos de leitura já lhe permitem tentar escrever, tendo plena consciência de que essa escrita é uma tentativa de expressar a fala por escrito, de forma a permitir a leitura dentro do sistema alfabético que usamos, mas sabendo também que nossa escrita se preocupa com a ortografia. Para aprender a escrever certo é preciso checar a grafia de cada palavra."

Nesse sentido, a maioria dos estudiosos do assunto (PNAIC) argumentam que a criança aprende "escrever escrevendo," para tanto é fundamental, que ao professor, além de conhecimentos teóricos sobre consciência fonológica, linguística, morfológica, sintática e pragmática da nossa língua portuguesa, é necessário metodologia  para poder organizar uma série de atividades e rotinas para sala de aula que permitam a familiarização dos aspectos ortográficos para o aluno, isto é, conhecer as regularidades e irregularidades do sistema de escrita, que todos concordam, não é nada fácil para aquisição da criança.
REFERÊNCIAS
CAGLIARI, Luiz Carlos. Alfabetizando sem o Bá-Bé-Bi-Bo Bu.

domingo, fevereiro 16

ALFABETIZAR NA IDADE CERTA

PNAIC

ORTOGRAFIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DE EF
 
Este é o ano (2014) para as escolas avaliarem e consolidarem o processo de leitura e escrita de todas as crianças que fazem parte do programa. A partir dessa construção, neste ano, o foco está na ortografização ( 3 Ano), integrado ao Sistema de Escrita Alfabética. Nesse sentido, entende-se  que no terceiro ano do processo a criança seja capaz de se apropriar de variados aspectos da regularidade e das irregularidades da língua portuguesa além de leitura fluente de diferentes gêneros textuais, bem como a produção de textos coerentes com a estrutura específica de cada gênero. Essa consolidação do processo de leitura e escrita  ocorre quando o sujeito aprendente é capaz de entender e dar conta das relações, regularidades, consciência fonológica e relações grafemas/fonemas da nossa língua, tanto na leitura como na escrita.
O que se percebe não é  bem isso, muitas crianças do terceiro ano escolar ainda não dominam as notações básicas da escrita ortográfica de maneira segura.
Constata-se ainda, a necessidade da escola buscar alternativas de planejamento de PROJETOS, ATIVIDADES PERMANENTES E OU SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS bem orientadas que incluam recursos tecnológicos e físicos, tais como jogos, livros...
materiais didáticos nas diferentes áreas de conhecimentos de estudos para enriquecimento da construção de conhecimentos das crianças que frequentam a escola incluída no Programa de Alfabetização na Idade Certa.

BOM TRABALHO A TODOS OS ALFABETIZADORES!