domingo, dezembro 13

CELEBRANDO O NATAL



Celebração

Palavras amigas... boas notícias e surpresas fazem parte desta celebração.

Para vivenciar tudo isso, foi escolhido um símbolo: a sacola do Papai Noel. Nessa sacola ele guarda boas surpresas, pois ali estão os presentes de Natal.

1) ACOLHIDA:

Organizar os presentes ( PALAVRAS: solidariedade, amizade, cooperação, saudade, paz...em cartelas coloridas de acordo com o nº de participantes e colocá-las em pequenas sacolas individuais bem organizadas) pedindo que cada um retire um presente do presépio, leia a sua palavra , comente, reorganize-a e coloque-a novamente na sacola. Faça um presente a seu amigo , colega da direita, saudando-o com as melhores boas-vindas nesse dia.

2) SAUDAÇÃO:

O celebrante, convida as pessoas a se saudarem uma às outras com as palavras da sacola ou outras.. Usar um fundo musical :

3) Jingle Bells

4) A Boa Notícia:

Leitura ou dramatização do texto bíblico: Lucas 2. 1-7 por um grupo de professores.

5) Mais Boas Notícias:

a) O celebrante antecipadamente, distribui para representantes do grupo, várias preces e agradecimentos sobre assuntos ou coisas que aconteceram durante o ano, e todos respondem: SENHOR ESCUTAI A NOSSA PRECE E ATENDEI-NOS!

b) Solicitar que espontaneamente, lembrem de coisas que queremos agradecer neste ano e/ ou pedir para o próximo ano 2010 em Graças, após: SENHOR ATENDEI NOSSA PRECE!

6) CANTO NATALINO:

É Natal!

7) ORAÇÃO:

De mãos dadas, vamos rezar a oração que o próprio Jesus nos ensinou, para encerrar, O PAI NOSSO.

8) Música de fundo, orquestrada. O abraço da PAZ.

Todos se abraçam, desejando um Natal cheio de alegria, muita saúde e paz na escola Cândido Genro em 2010.

Adaptação de Sonia L Trapp Mees, pelas professoras Eloí e Luciane

NATAL 2009

As músicas, é só baixar... Bom trabalho!

segunda-feira, dezembro 7

A arca de Noé

"Planeje para o futuro
não estava chovendo,
quando Noé
construiu a arca."

No curso, " EDUCAR PARA DIVERSIDADE," discutiu-se muito: Quem é o sujeito da nossa ação?
Por que a deficiência do outro nos incomoda tanto?
Incluir é possível ou utopia?

Toda criança com necessidades especiais é um campo complexo de interrogações e são , hoje um dos maiores desafios para as escolas, no que se refere a formação dos seus educadores, bem como, a visualização de uma metodologia de sala de aula que aproximem teoria/prática.
Muitos estudos têm se voltado para construir uma Proposta Pedagógica, como sugerem os Parâmetros Curriculares Nacionais (1998), quando apontam que a escola tem que ter uma dinamicidade curricular que permita ajustar o fazer pedagógico às necessidades dos alunos com deficiências. Todas elas? Como?
O Projeto político Pedagógico é a referência para a Identidade da instituição, os Regimentos, esse deve disciplinar as práticas, as metodologias e a avaliação como processo, numa visão flexível do ponto de vista do ensino e da aprendizagem, priorizando recursos favoráveis à educação, à adoção de currículos abertos para atender a diversidade da demanda. Isso nos remete a uma nova visão de escola, de ensino, de aprendizagem e avaliação para que realmente, se efetive o processo de inclusão.
Essa posição nos encaminha à reflexão: como a escola poderá incluir os sujeitos da sociedade? Como os Cursos de formação estão encarando a questão? Como está a formação dos professores em geral? Como está a auto estima desses profissionais?
Como incluir sem traumas, para esses envolvidos? Nesse questinamento, o dilema é evidente a começar pelas agências formadoras que estão longe de preencher essas lacunas. isso se explicita pela ansiedade dos educadores frente a complexidade da situação- problema. Isso é o que se lê nas entrelinhas do contexto da educação.
Dessa forma, volta-se ao início, pensando que não nos foi permitido conhecer, analisar, planejar para fazer a previsibilidade às ações. Ifelizmente!?
Estamos enfrentando a enchente em tempo real e correndo para minimizar o prejuízo!
Entenda-se, estamos aprendendo e ensinando às duras penas, pois não nos foi dada a oportunidade de planejar para o futuro como fez Noé, antes da tempestade.


domingo, dezembro 6

Curso Em POA "EDUCAR PARA DIVERSIDADE

Nós estávamos lá! As colegas de São Borja, Kátia (coordenadora), Eloí e Mariza Vitória de Santiago. Estamos fazendo nossa parte... E você?
Educação para todos, como é difícil sabermos quem são todos... Foi uma grande discussão com muito proveito em benefício nosso, como professores e como grupo. Estavámos num grupo de 5 profes da 35ª \CRE. Uma das questões básicas veiculadas pelo grupo de palestrantes de Educação Especial, foi que a reestruturação curricular é imprescindível e, que as propostas de trabalho de Educação Inclusiva não excluam os pais, pois esses têm que receber orientações também. O trabalho deve ser o mesmo para todos, o olhar para cada um é que vai ser diferenciado. Isso quer dizer que temos que nos apropriar de novas metodologias que inclua a todos na prática pedagógica que fazemos na sala de aula. O que precisamos são de eixos norteadores para nossos projetos, reorganizar o tempo, aproveitar os recursos tecnológicos, romper com a lógica estrutural, respeitar o ritmo de cada estudante, reconhecer o direito de cada um no seu ciclo de desenvolvimento humanos ( PIAGET ) , incorporar a diversidade como tema central das decisões, num trabalho coletivo, onde se compertilhem critérios, estratégias e metodologias.
Agora, temos muito trabalho pela frente...

sábado, dezembro 5

Mudanças/tecnologias

Helena, Grede ( tutora da 35ªCRE) Daniela, Luciane, Roseli e Eloí (euzinha)

Esse é o grupo da pesada:: Helena, Nossa tutora Grede, a Daniela, A luciane, A roseli e a Mariza.


O curso das TIC propõe mudanças com o uso das tecnologias. As escolas têm que conquistar seus educadores a disseminarem metodologias de trabalho, encantar-se e encantar os outros para que seu trabalho esteja enriquecido com esses recursos da mídia. Nosso grupo no CG está fazendo de tudo para aprender muito a transformar informações em conhecimentos. Tudo o que queremos é buscar uma metodologia de trabalho que desperte interesse em nossos aluno. Até aqui já acreditávamos que o trabalho com PROJETOS na escola só vem contribuir para que a aprendizagem seja mais consistente.

Objetivos de se trabalhar com essa metodologia:

* permitir o diálogo, a interdisciplinaridade e a contextualização, intevindo no processo de forma que todos os estudantes possam participar e contribuir, a partir do que sabem sobre o tema e daquiloque é necessário aprender para adquirirem as habilidades na construção do conhecimento.

* Resolver problemas em situações reais de aprendizagem, pesquisa , análise e síntese.

*Criar um movimento integrativo entre as àreas de conhecimento, sem inervir na disciplina de outros colegas, mas ajudá-los a fazer o inter-relacionamento.

* sensibilizar para estudo e buscas de informações, processando-as em conhecimentos.


Assim, se constroem as etapas dos projetos, fazendo perpassar os temas transversalizados, e com isso estabelecendo as relações que dão sentido ao conhecimento.

ESSE CURSO SÓ VEIO ENRIQUECER NOSSA PRÁTICA!

Obrigada Prof GREDE






PARABÉNS PARA O GRUPO DO CG...



sábado, novembro 28

O Trabalho com Projetos

" O educador lê com os olhos que tem e impterpreta a partir de onde seus pés pisam naquele dado momento."

Leonardo Boff

"O trabalho com projetos inclui dois aspectos importantes: a abrangência e o aprofundamento segundo autores.

A abrangência etá especificada pela interdisciplinaridade no contexto onde se realizam as ações. O leque de possibilidades de diferentes caminhos, vai se ampliando pela ligação contextualizada e suas relações. O aprofundamento dis respeito as particularidades, às disciplinas nas quais o sujeito caminha, no sentido de busca e apropriação.

"Projeto implica lidar com aspectos conhecidos e desconhecidos. O Projeto Pedagógico é, necessariamente, uma organização aberta. Organização porque procura articular informações já conhecidas e, abertas, porque precisa integrar outros aspectos que surgirão durante a execução daquilo que foi projetado. Principalmente, assuntos periféricos que resgatam as experiências dos alunos, reaproveitando-as para construção do conhecimento."

terça-feira, novembro 10

Curso TECNOLOGIA NA EDUCAÇÃO-35CRE

O uso da Tecnologia na Escola abre um leque de possibilidades para os educadores construirem um projeto educativo de qualidade com pelo viés da interação do aluno com o objeto de conhecimento. Isso vai ser possível à medida da democratização desse recurso. Por exemplo, a escola tem que dispor do Laboratório de Informática, mas tem que ter um profissional da educação para disseminar as possibilidades de uso desse dispositivo. Só assim eu vejo o processo de compreensão e aprendizagem de nossos educadores. Tem que existir o estímulo, o trabalho cooperativo, a sociabilização desses conhecimentos. CONHECER PARA PARTICIPAR... É que nem usar o HIPERTEXTO para ampliar e aprofundar conhecimentos de maneira virtual. Esse é o objetivo...

terça-feira, outubro 27

Teoria/práticapedagógica

Gardner em Multiple Intelligences Around the World, enfatizando duas idéias, como os educadores estão aproveitando as inteligências múltiplas na prática pedagógica, ele explica, uma, a primeira a individualização, onde os " educadores devem conhecer ao máximo seus alunos e, assim ensiná-los da maneira que eles melhor poderão aprender. A segunda é a pluralização. Isso significa que é necessário ensinar o que é importante de várias maneiras- história, debates, jogos, filmes, diagramas ou exercícios práticos."
Dessa forma, aperfeiçoamos nosso fazer pedagógico e complementamos nossa formação continuada.
Podem pesquisar: www.goodworkproject.org
www.howardgardener.com

www.ne.org.br


Sobre o cientista das Múltiplas Inteligências, vale a pena conferir...

quarta-feira, setembro 9

Refletindooooo

Em pleno tempo de recuperação!
Assistindo um vídeo de Rubem Alves...

"Educar é ensinar a ver...
Educar as habilidades e sensibilidades..."
É verdade, se não educarmos para sensibilidade, nosso trabalho, certamente se perderá no espaço vazio, pois a habilidade só se concretizará pela sensibilidade...
Assim deve ser o educador do século XXI, um educador de sensibilidades... que é sensível às coisas do mundo, à natureza, à gota de orvalho na manhã de outono, bem como as maiores descobertas científicas, como por exemplo: a vacina de combate a gripe N1...
Essa é a transformação que o educador deve priorizar!

domingo, junho 21

Que método usar, na Alfabetização?

( Decroly 1927)
Ao utilizar esta palavra, MÉTODO, será conveniente esclarecer que ela nada significa se não tivermos em mente os objetivos da ação educacinal. Em sua legítima acepção, o método não é uma receita, mas uma relação, entre elementos e situações que tenhamos, e novas situações para cuja proteção intentamos concorrer. Só quando bem reconhecida a situação existente e bem formulada a que se deseja obter, é que podemos pensar em atividades idôneas, isto é, seguras e eficientes.
O conceito de MÉTODO não se contém nos estreitos domínios da técnica, pois que pressupõe uma opção entre fins a serem obtidos. Ao modo de fazer as coisas, ou de como fazê-las, antecede a intenção de fazê-la ou daquilo que se deva fazer. Ainda assim, os resultados da indagação experimental devem ser levados em conta, pois não terá sentido pretender fazer aquilo que não se possa fazer...
( Decroly, in Lourenço Filho, s/d, p. 178)
Uma das minhas preocupações é sobre o método de Alfabetização, ainda mais que andam circulando pelas escolas vários, uns com sua base na fonologia, outros mais
fundamentados no Construtivismo e assim por diante. Acho que o alfabetizador tem que ser um estudioso da linguagem para escolher , na minha opinião, entre os métodos, os de características mais globais, por atenderem os aspectos: fônico, morfológico, a sintaxe e a pragmática, e principalmente, partir da realidade e interesse das crianças. Usar contos, lendas, cantigas, rimas, passeios, reconto de histórias e o professor, no início , como escriba vai criando a proposta metodológica, a partir da reflexão sobre a língua...
Reafirmo aqui a necessidade da pesquisa, da formação do professor, para Alfabetizar e Letrar com segurança!

quarta-feira, junho 17

Alfabetização e Letramento

Na semana que passou fui a um Seminário de Educação Municipal, com um convite de uma colega de Escola.
Um Seminário de fundamento, como costumo dizer quando fico encantada com pessoas que são sensibilizadas para aprender e continuar aprendendo. Dei uma passadinha nos livros e não resisti, escolhi um, Alfabetizar e Letrar, da professora MARLENE CARVALHO.
O livro traz uma discussão bem pertinente para o momento quando estamos implantando o Ensino Fundamental de 9 Anos, na Escola.
Fazendo uma reflexão sobre os Métodos de Alfabetização, ela caracteriza os métodos Sintéticos e Analíticos com as devidas etapas para se desenvolverem, isto é, colocá-los na prática. Gostei muito da leitura, pois quando trabalhava com Formação de Professores, sempre fiz essa distinção, para os alunos no Curso Normal, uma vez que elas saem da Escola e vão direto para as turmas de Pré-escolar ou Anos Iniciais do Ensino Fundamental e precisam ter uma noção. O que é Alfabetizar? O que é Letrar? Por onde começar? Como e quando alfabetizar ou letrar? Com que se começa a prática e qual o método mais adequado?
Fiquei feliz, pois a professora argumenta que os métodos ecléticos atendem melhor as necessidades e interesses dos estudantes na infância, são mais completos também, quanto a questão do ensino da língua e a linguagem por abordarem, não só, o aspecto fônico, mas a sintaxe, a morfologia e a pragmática.
Gostei da completude teórica e recomendo uma boa leitura para os alfabetizadores!
Logo vou organizar um slide para estudar com as professoras da minha escola...

terça-feira, maio 26

MELHOR IDADE?

A vida tem uma dinâmica , que conforme o passar do tempo, nem percebemos. Assim, estou entrando para a "felizidade" com o coração leve, pois muito já fiz nessa caminhada, está na hora de passar a bola para outra mão.
Sensação do dever cumpridooooo...

"Não importa se teremos tempo suficiente para ver mudadas as coisa e pessoas pelas quais lutamos, ( no meu caso por uma educação pública de qualidade e um educador dignificado na sua profissão) mas sim, que façamos a nossa parte, de modo que tudo se transforme a seu tempo."

sábado, maio 16

SOLIDARIEDADE

Solidariedade, na intenssa conotação da palavra, pode-se deduzir da sua definição que seria o valor mais caro a toda a humanidade.
Se praticássemos a solidariedade não existiria tanta miséria, doença, violência, desamor, falta de gratidão entre as pessoas civilizadas.
Hoje, na minha escola fizemos um trabalho com a Comunidade CG para que juntos possamos chamar a atenção para esses valores na sociedade!
Que nós, os educadores continuemos a criar nos nossos estudantes esse espírito de solidariedade em suas casas, na rua e na escola...
FELIZ DIAAAAA DA SOLIDARIEDADE!

terça-feira, maio 5

MÃE


Um pouco de Mãe em cada um de nós.


Para explicar o que é mãe teríamos que revirar muitas enciclopédias e certamente, não encontrríamos uma definição perfeita. Assim, mãe é a pessoa que nos deu a vida em plenitude, deixou muitas oportunidades passarem para nos acolher no seu ventre e nos oportunizar a vida.

sejam abençoadas todas as mães, inclusive os pais que fazem esse papel criando seu filhos e amando-os como eles são...

Parabéns pelo "DIA DAS MÃES"... hoje e sempre....


domingo, maio 3

Um bom lugar para visitar..

Olá Amigas e amigos...
Visitem este site é um mast... tem muitas novidades e ajuda na consciência ecológica, criando trabalhos com as crianças para reciclar os resíduos.É linnnnnndo...
Passa lá...
http:// fazendoartenaescola2.blogspot.com

segunda-feira, abril 27

Dia da Educação


Dia Mundial da Educação, como se isso fosse necessário, como outros "diasssss de"... A educação é sempre prioridade em todos os momentos, dias e contextos. E para garantir que deveria ser comemorada todos os dias, podemos afirmar que tudo passa pela educação: o sorriso, a honestidade, o bem querer, o controle, o equilíbrio do mundo, a nossa personalidade, o cuidado com a vida, a não vilência... a PAZ. Tudo deve ser cultivado pela educação.

Por isso, " Todos Pela Educação" de fato e de direito, pois não há programa que resista a inércia na educação, e, se essa for prioridade vai receber recursos, educadores com dignidade na vida profissional, ambiente favorável ao seu desempenho, possibilidade de avançar na carreira por merecimento e tempo de serviço , sem comparações pejorativas, mas com compromisso com a inclusão de todos, seriedade, comprometimento e ação coerente.

A EDUCAÇÃO está carente estamos necessitando de reescrever nossa história com letras maiúsculas, buscando nos educadores o fôlego para esse desafio. Fazer da educaçõa nosso mote e de nossos alunos o foco do nosso trabalho, para que eles possam continuar aprendendo, apesar de tudo que nos falta e que os nossos sonhos continuem a ser disseminados, pelo nosso exemplo, pelo amor que somos capazes de compartilhar.

Mudanças e Sonhos

"Cidadania é construção individual no espaço coletivo!"
Jorge Cunha

Estamos vivendo num mundo em mudanças constantes, imediatas e irreversíveis com a tecnologia apressando e nos desafiando para a formação continuada em tempo emergente. Assim, estamos inaugurando nova etapa na Escola Cândido Genro, disseminando o uso da tecnologia Linux, como recurso para sala de aula. Os PC vieram para facilitar o trabalho pedagógico, desde que usados de forma dinâmica e como recurso para qualificar a aprendizagem dos estudantes uma vez que, estes podem interagir muito mais com os conhecimentos para a assimilação, acomodação e construção na visão piagetiana.
Dessa forma, podemos repensar nas relações professor/alunos com uma nova visão, pois hoje os estudantes já têm a tecnologia no seu DNA e nós temos que apreendê-la.
Assim as relações entre ensinar e aprender têm nova forma. Muitos de nossos estudantes nos ajudam a superar o medo e o acesso a esses recursos. Nesse sentido só é necessário humildade e aprender com eles sem fronteiras...
O papel do educador não muda só porque os estudantes o ajudam nesses recursos, ele continua imprescindível como mediador da aprendizagem, orientador do uso adequado desses recursos, dinamizador do conteúdo a ser pesquisado, criando com isso o espírito de busca e aperfeiçoamento dos conhecimentos disponíveis na internet.

quarta-feira, março 18

Repensando um Currículo

O currículo, como referência para a constituição da escola como espaço de formação e ampliação de conhecimentos para cidadania deve, para tanto, não se limitar a conteúdos e programas. Este deve se voltar para cultura, humanização das experiências, a implementação de metodologias que levem o estudante a aprender a aprender, para continuar aprendendo num outro momento. Inserir nesse contexto os recursos oferecidos pela mídia, pela história da humanidade, pelos novos conhecimentos. Dessa forma concebemos o currículo como todas as experiências previstas para contextualizar os conhecimentos e as aprendizagens. Uma reflexão interessante nos propõe Vasconcellos (2002, p. 132), quando argumenta que na visão contemporânea, currículo deve ser entendido como "um caminho, uma jornada, que tem referências, mapas, mas sempre admite mudanças, atalhos, alterações significativas de rotas; daí advém o sabor da aventura do conhecimento. O caminho que efetivamente será percorrido dependerá, pois, dos sujeitos ( alunos/professores), do objeto de estudo e do contexto." Dessa forma, as reflexões para a reconstrução de um referencial curricular para Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio está em pauta, o desafio está posto e é nesse momento que o educador deve estar atento para embarcar, com isso, colocar seu posicionamento...
Vai nessa professor(a) não perca a carona!!!!

terça-feira, março 10

Uso do Livro didático

Assistindo uma reunião ouvi um colega dizer: que o melhor era recolher os livros didáticos, uma vez que estão com a ortografia desatualizada, de acordo com o novo código ortográfico.
Não consegui "ficar na minha" como sempre faço. E, falei. pois não acho que o vilão da educação e do pouco aprendizado seja o Livro Didático, que por sinal, não é ruim. É um recurso como outro qualquer, é uma possibilidade de interação com os conhecimentos da ciência, etc... Lembrei que na formação do início do ano letivo coloquei aos meus colegas para uma reflexão:
disse a eles, que o livro didático é um recurso para que o estudante possa interagir com leitura, esse desafio para todas as disciplinas do Currículo, pois é considerada um meio para que os alunos façam a apropriação do conhecimento. O que deve ser refletido é o COMO esse livro é utilizado na sala de aula, "não como camisa de força", sem reflexão, sem questionamento, como "verdades" sem a menor análise desse conteúdo, bem como o jornal, um filme, um documentário que é trabalhado como recurso para aprofundar conhecimentos significativos e informar de forma a dar qualidade ao que se ensina.
Esse é o pensamento de vário autores que argumentam que o que realmente importa é a forma como utilizamos o livro didático que vai tornar o ensino mais interessanrte ou de outra forma cansativo e enfadonho para os estudantes.
Pense nisso colega...

CURRÍCULO



O grande desafio dos educadores hoje é a revisão do Referencial Curricular para o Ensino Fundamental de 9 anos e para Educação Infantil. Lendo no documento produzido pelo MEC dá para perceber que as indagações são as mesmas de 1980, quando o próprio Paulo Freire afirmava que as propostas curriculares tinham que estar voltadas às necessidades dos educandos e, que um currículo unificado não atenderia essas necessidades e características dos estudantes. Que um currículo centrado nos conteúdos não atingia todas as camadas da sociedade, na construção cidadã. Se ele estivesse vivo e ouvisse a nossa secretária aqui no RS, tirando com todas as letras essa autonomia da escola de construir seus currículos de acordo com as verdadeiras necessidades e anseios de sua população de entorno, com certeza adoeceria de desgosto, pois muitas vezes falou para esse público e encantou... Ainda bem que o tempo não pára e as idéias não morrem, só evoluem!


sexta-feira, fevereiro 13

pesquisar

Você vai encontrar sugestões de leitura e bons livros... entre:
www.zahar.com.br
Esta é a semana que finda as férias, novos rumos, novos desafios, projetos, interesses, compromissos que gerarão descobertas e possibilidades de recriação recomeçam... todos nutridos pelo entusiasmo de quem considera a escola um lugar de encontros muito mais do que de desencontros, geradores de experiências e transformações...

VAMOS LÁ PROFESSORES, ONDE ESTÃO OS NOSSOS SONHOS!

sábado, janeiro 10

O que muda com o novo acordo ortográfico?

Acento agudo:
Ele desaparece dos ditongos orais abertos: ei e oi das paroxítonas. Ex: assembleia,heroico, ideia e jiboia;
E ainda, continua nas oxítonas e nos monossílabos tônicos terminados em: éi, éu, e ói, ex: herói(s),ilhéu(s), chapéu(s),anéis, dói, céu.
Foi retirato o acento gráfico das paroxítonas com i e u tônicos formando hiato com a vogal anterior, quando esta faz parte de um ditongo. Ex. baiuca, boiuna, feiura.
Observa-se que i e u continuam acentuados se formarem um hiato, mas se estiverem sozinhos na sílaba ou seguidos de s. Ex: baú, saída.
Permanece o acento nas palavras oxítonas, nas mesmas condições acima: tuiuiú, Piauí.
Modificam as formas verbais que têm acento tônico na raiz, o u tônico precedido de G OU Q e seguidos de e ou i. Aparecem, em argüir e redargüir. Ex: Arguis, arguem, redarguis e redarguem.
Elimina-se o acento diferencial em: pela,polo,pelo,pera.
Continuarão acentuados: pôr (verbo) para diferençar de por (preposição);
pôde (verbo conjugado no pretérito) para diferençar de pode (verbo no presente).
OBS: forma/ fôrma o acento é facultativo.
Perdem o acento circunflexo as palavras terminadas em OO. E, também, as formas verbais da 3ª pessoa dp plural: creem , deem, leem, veem e seus derivados.
Continuam com acentos ao verbos ter e vir e seus derivados. Ex: eles têm, eles vêm,(plural)e ele detém, ele intervém (singular).
O trema ( dois pontos em cima do u ) deixa de existir, porém a pronúncia continua a mesma, exceto em nomes PRÓPRIOS.
O HÍFEM deixa de ser empregado quando;
# o primeiro elemento termina em vogal e o segundo com S ou R, ( são duplicada ).
# quando o prefixo termina em vogal e o segundo elemento começa com vogal diferente. Ex: autoestima.
# o hífem continua quando o prefixo termina co R e o outro elemento começa com R.Ex: hiper-requintado.
O alfabeto passa a ter 26 letras: K,W,Y em nomes próprios de pessoas, lugares, símbolos e abreviaturas...
ESPERO TER CONTRIBUÍDO COM OS LEITORES... VEJAM NÃO SÃO MUITAS MUDANÇAS, MAS VÃO, CERTAMENTE, COMPLICAR A NOSSA VIDA DE APRENDIZES.
Uma boa escrita a todos!

OS SONHOS E OS DESAFIOS

Jamais um pessimista descobriu o segredo das estrelas, ou navegou até uma terra inexplorada, ou abriu um novo horizonte ao espírito humano.
( Helen Keller)

sexta-feira, janeiro 2

Reflexão sobre o ofício de professor

CLAUDIO DE MOURA CASTRO é Economista e registrou num Artigo:" como os professores não aprenderam a ensinar ( nos Cursos), os alunos não aprendem, o que deveriam aprender."

É uma crítica, no mínimo justificável. Noutro dia lendo Perrenoud (2002,p.48), sobre a "Prática reflexiva no ofício de Professor:profissionalização e razão pedagógica" o grande mestre afirma a necessidade de reflexão sobre a formação dos educadores dando dez motivos para isso:
1) "compense a superficialidade da formação profissional;
2) favoreça a acumulação de saberes de experiência;
3) propicie uma evolução rumo a profissionalização;
4) prepare para assumir uma responsabilidade política e ética;
5) ajude a vivenciar um ofício impossível;
6) ofereça os meios necessários para trabalhar sobre si mesmo;
7) estimule a enfrentar a irredutível alteridade do aprendiz;
8) aumente a cooperação entre colegas;
9) aumente as capacidades de inovação;
10) permita enfrentar a crescente complexidade das tarefas;"
Se pensarmos um pouquinho, poderemos dar razão ao economista que preocupado com o ensinar e aprender e a prática pedagógica, nos estabelecimentos de ensino em qualquer grau nos dá uma grande lição de vida e aponta para a necessidade de utilizarmos os meios adequados para ensinar mais, para que os estudantes aprendam melhor. Eis uma grande lição!